segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Presente em fuga.

o agora virou passado
e o agora também.
se tudo ficou para trás,
eu sou apenas lembranças
de um presente que se escapa.
escapou.


desembrulho mil vezes
o passado conhecido
e projeto pensamentos
influenciadores de um futuro
não tão distante
de virar passado.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Torto.

sustentar a postura
dura cinco minutos
depois ela despenca,
se curvando como uma reverência
a sua forma desenhada por anos.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

chinelo no pé é desleixo indispensável.
tem o péssimo hábito de acordar tarde.
na hora do almoço, toma seu café da manhã.
nunca conseguiu pular refeições.

paulo é narcisista, não pode ver um espelho
para ficar completamente obcecado com sua imagem.
continua com o velho cacoete
de ficar arrumando o cabelo o tempo todo.

frequenta a mesma doceria há mais de vinte anos,
paulo não esconde de ninguém
sua fissura por strudel de maçã.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Atrapalhado Ser.

semelhança incomoda.
faz nascer
uma confusão sentimental

apego involuntário
mascarado em atitudes
de completa indiferença.


mesmo ficando quieto,
sempre consigo expor
minhas imperfeições

e acabo transformando
sonhos
em constrangimentos.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O Ensaio Começa Às Sete e Meia da Manhã.

na hora do café, são sete gotas
de adoçante contadas a fio.
todo dia esse ritual se repete.

salto do ônibus na são clemente
e mais uma vez vejo aquela poça
refletindo o mesmo prédio.

enfim, chego no escritório.
sou recebido com desânimo,
aquele rosto continua indócil.
quem sabe um dia eu consiga
injetar açúcar na sua rotina.

o trabalho começa por e-mails,
às dez e meia já penso no almoço.
hoje é quarta e toda quarta
é dia de comida japonesa

ao chegar no restaurante,
um breve sorriso de fome
se abre em ansiedade.
talvez essa expectativa seja
a parte mais gostosa desse almoço

depois da refeição, vou andando
até a cafeteria mais próxima.
na hora da conta, pago no débito
em seguida, desprezo a notinha azul.

mais um dia passa e muitos atos
metódicos transformam pedaços da rotina
em uma coreografia ensaiada diariamente.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Chave de Ativação.

quando aquela música toca
traz à tona fragmentos
de uma memória abandonada de propósito.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Shopping da Gávea.

só no shopping da gávea
é possível ver a branca de neve
comendo um koni com o príncipe encantado.

são seis e quarenta e cinco
e a porta do teatro está lotada
de idosos perfumados em excesso.

madames passeiam com sacolas,
enquanto atores fantasiados impressionam crianças
e entregam filipetas para os pais.


aquele chão é revestido com um piso similar
ao de uma galeria.através dele, é possível
ver lojas se misturarem com ateliês de arte.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

querida
quando você chega
não disfarço euforia.
os lábios se esticam
e um sorriso se abre
fazendo nascer
uma covinha
que nem a barba
é capaz de esconder.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Resumindo o Fim.

quando acabou
fiquei anos
com pensamentos
estacionados
decantando
a tristeza.

domingo, 8 de agosto de 2010

Choro.

água aparece,
faz inchar
a retina
e num piscar
de olhos,
a lágrima
escorre.


desliza
pelo rosto
transportando
tristeza
em uma
gota ácida
que rapidamente
seca.

domingo, 11 de julho de 2010

Hugo.

faça chuva ou sol,
ele sempre sai de casa
com cachecol pendurado no pescoço

andou meio cismado
que é alérgico a vento
basta um ventinho
para ficar incomodado.


uma simples tosse
é o suficiente
para pastilhas de hortelã
e xarope de morango.


na verdade, hugo é hipocondríaco.
tem um medo quase infantil
de ficar doente.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Devires.

inotável por muitos
ela passava despercebida
não era feia, apenas normal.

aninha me surpreendeu
quando começou a falar francês

as palavras saiam de sua boca
flutuando em um suave ballet

a mudança do idioma provocou
uma transformação tão profunda,
que aninha parecia ter renascido.

a recém francesa vestia uma pequena alegria
e um sorriso levemente melancólico.

no final, fui atacado por calafrios.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Confissões.

contei do meu medo
indisfarçável de avião
e ela me revelou o seu
medo de curvas.
segundo ela nunca devemos
confiar em volantes.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Escada.

nos esbarramos na escada.
não sei por que sempre quando isso
acontece fico completamente mudo.

o corpo desanda em susto
minha armadura cai
me deixando completamente desarmado.

exposto, sem ação,
incapaz de qualquer movimento
nesse momento o silêncio fala.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Incômodo Natural.

uma luz branca entrou
pelo pequeno buraco
deixado pela cortina
atingindo em cheio
a minha cama.

fui obrigado a levantar
e descobrir que
pela primeira vez
a lua me incomodou

Imprevisível.

caderno no colo
terminando de escrever
uma carta para ela
até a caneta tremer
e borrar palavras

não contava que
uma imprevisível
freada do ônibus
me faria escrever
tudo de novo.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Em São Paulo.

o trânsito é tanto
que fiquei um bom tempo
fazendo hora no céu

sexta-feira, 19 de março de 2010

Janelas.

as janelas são os olhos dos prédios.
vigiam tudo o que acontece
dentro e fora dos apartamentos.

elas nos permitem ver através
dos seus olhos uma perspectiva totalmente
diferente do que estamos acostumados.

as janelas não são preconceituosas.
elas acolhem gritos, ventos, chuvas, cheiros,
luzes, insetos, conversas e até fofocas.

o bonito das janelas é o seu estado igualitário
onde todos os direitos são iguais para todos
independente de sua forma ou cor.

as janelas estão nesse mundo para ensinar.
por que não aprendemos alguns valores da vida
com a sua simplicidade?

alguns dizem que elas são passivas.
eu não vejo por esse lado, na verdade,
acredito que elas se permitem viver intensamente.

Aquarone.

giulianna é desajeitada;
os cabelos combinam
com os olhos azuis.
sempre me perco tentando
contar as sardas no seu rosto.
menina avoada que vive
esquecendo tudo.
outro dia ela me contou
que sente as pernas presas
ao chão, mas que a cabeça
vive viajando em um mundo
de pensamentos flutuantes.
jornalista de humor contagiante
que o roteirista me deu de presente.

terça-feira, 16 de março de 2010

Surpresa 2

achou ter sentido a perna tremer.
botou a mão no bolso para checar o telefone.
mas não havia uma chamada perdida.

quando de repente, ele apareceu do nada.
a surpresa foi tanta que seus olhos ficaram
infantilizados de tanta incompreensão.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Até quando Silveira?

silveira tem cinquenta anos de história.
os poucos cabelos brancos encaracolados
brilham quando a luz encontra o suor
sempre presente em seu rosto redondo.
sua barriga deforma a camisa presa na calça.
silveira sofre de enfisema há cinco anos
mas isso ainda não o impediu de apreciar
sem moderação seus cigarros longos.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Nostalgia.

já fui dono daquela rua
hoje sou um penetra
transitando pela calçada
vagamente melancólico.

segunda-feira, 1 de março de 2010

Sorriso Tímido

não aguento ver você
segurando o riso.
a bochecha se contrai
e um lindo sorriso escapa
pelo canto da boca.
mas antes que ele domine
sua face, você se contém
escondendo toda a graça.
a boca se fecha numa careta
reprimida mas encantadora.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Sombra em Movimento.

a parede foi agredida
por uma mancha preta
que se movia constantemente.
logo, o borro negro
tomou formato de uma pessoa.
olhando para a parede,
era possível ver
um desenho se mexer
em gestos humanos.
as vozes reforçavam
a animação, contemplando
o feito de um cinema
antropológico.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Falsa Esperança.

após muita espera,
veio atravessando
o corredor
um rosto.

não percebi
quando você
coloriu o meu
coração de cinza.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

,

assim me sinto
como um vírgula
jogada entre letras
que já formam palavras.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Vovó Sara.

sinto bastante falta
de conversar com a minha avó
e ouvir conselhos em castelhano.

após algumas empadinhas,
parecia que os problemas da vida
ficaram suaves.

ela não gostava de comer muito,
preferia tomar um chimarron
no fim da tarde.

a televisão sempre ligada
no globo news. não escapava
uma notícia dos seus olhos.

sara tinha uma peculiaridade,
ela não tirava o salto alto.
usava o sapato até em casa.

senhora baixinha e magrinha.
sua delicadeza potencializava
uma elegância natural.

a verdade é que não dá para falar
todas as qualidades de sarita
em um pequeno poema.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Apagando sonhos.

ao acordar, a respiração veio vazia.
aquela nostalgia abriu um buraco
frio no meio do meu peito.
saudade do sonho disfarçado.

despertar lembrando foi um pesadelo!
a fantasia se fantasiou de realidade.
fascinante a forma como fui enganado.
acordei com uma fome que não podia ser matada.

por que o passado não se cansa
de mandar lembranças suas?
por favor, não volte mais!
prefiro sonhos tristes!

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Manhã, Tarde e Noite.

Manhã
há tempos não dormia numa beliche.
acordei pulando da cama de cima.
os olhos quase fechados me conduziram
até o banheiro, meu pé sentiu o piso frio,
pelo menos cinco vezes espirrei.


Tarde
o sol já estava cansado
mas o calor seguia inconveniente.
a caminhada na praia foi ótima!
quando voltei para o hostel,
vi o fim do dia. O céu descascava.

Noite.
eu fui para o meu canto,
sentei na calçada silenciosa.
apoiei a cerveja no meio fio.
fiquei ali, namorando a noite,
navegando em pensamentos.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Lost

continuo no vazio do papel
preso entre linhas azuis
afogado num branco infinito
estou perdido em alguma página
de um caderno abandonado
dentro de uma gaveta esquecida