sábado, 3 de outubro de 2009

Madrugada na Delfim.

postes enfileirados
por toda a orla;
jogam suas luzes frias
sobre um calçadão vazio;
a única vida ali
é o som das ondas
estourando na areia

4 comentários:

  1. Ai que delìcia, chequei a sentir o cheio do mar e a brisa gelada a molhar o meu rosto.

    Muito expressivo.

    http://aindamaisestorias.blogspot.com


    http://estoriasmediocres1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ah, a solidão... eu a vejo como boa companheira, mas nem todos concordam comigo...
    Gostei muito desses versos: "a única vida ali
    é o som das ondas
    estourando na areia"
    Lindo!
    ____
    http://planetabandonado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Senti-me andando de carro, à noite, pela orla do Rio ... pra onde não vou há muitos anos! :)

    ResponderExcluir
  4. imagino que a Delfim seja uma área com praia ;)
    .
    da um contraste real, mas q ameaça de devaneio.
    ^^
    abraços.

    ResponderExcluir